Big data em supermercados: aplicações, benefícios e por onde começar

Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Análises big data permitem envio de ofertas realmente personalizadas, construção de tabloides mais inteligentes e fortalecimento da empresa na negociação de verbas de trade marketing.
Big data em supermercados
Reproduzir vídeo

Há alguns anos o termo big data passou a ser associado com mais frequência a estratégias de negócios. O desafio, em geral, é como transformar a grande quantidade de dados gerada dentro das empresas em informações úteis para a tomada de decisão. No setor supermercadista não é diferente.

+ Supermercadista: inscreva-se e receba publicações como esta no seu e-mail

Supermercados produzem um volume considerável de dados importantes todos os dias. Os principais são registrados nos pontos de venda a cada compra – itens no cupom, composição do carrinho, horário, valor e o CPF do cliente, se for o caso. 

A maior parte desses pedaços de informação fica concentrada nos sistemas de gestão empresarial (ERP) e de relacionamento com o cliente (CRM), quando o supermercado possui um. Isolados, os dados dessas bases fazem pouco sentido.

De maneira resumida, big data significa a capacidade processar e interpretar uma quantidade massiva de dados para dar sentido a esses pedaços de informação. Exige soluções específicas para as equipes especializadas trabalharem com velocidade mesmo ao analisar arquivos com milhões de linhas.

Aplicação de big data em supermercados


O trabalho de big data em supermercados consiste em estruturar esses dados para a construção de visões detalhadas, por exemplo, sobre elasticidade-preço de SKU’s, cross selling, perfil de compra dos clientes e para a elaboração de
tabloides mais inteligentes. Uma infinidade de informações estratégicas fica escondida em bancos de dados.

Para torná-las úteis é necessária uma tomada de decisão de gerentes e diretores no sentido de ter os profissionais especializados em extrair esse potencial. Mas por onde começar? Apesar de ser uma ferramenta capaz de solucionar diversos problemas no dia a dia, o Excel não é adequado porque não suporta a quantidade de dados necessária. 

Big data, no caso de supermercados, significa lidar com o histórico detalhado de compras e vendas de anos de empresa. Trabalhar com ferramentas como Spark, Hadoop, Pig e SQL Server, com um adicional. Esses softwares precisam rodar em computadores extremamente potentes, caso contrário, não é possível processar as análises.

Benefícios do big data em supermercados


Passado o “tecniquês”, quais são os benefícios de lidar com big data em supermercados? Compreender o perfil do clientes para fazer ofertas realmente personalizadas, entender em detalhes o comportamento de vendas de SKU’s para negociar melhor com fornecedores e fortalecer a posição da empresa na negociação de verbas de trade marketing. São apenas alguns exemplos.

Todos os detalhes sobre a saúde do negócio estão espalhados nos bancos de dados. A chave está no processamento e estruturação com o objetivo de transformá-los em informações relevantes para a tomada de decisões estratégicas.

Poder estratégico do big data em supermercados

Quer conhecer as soluções da datasales?

Quer conhecer as soluções da datasales?